Guia do eleitor desiludido – parte 1

Pagando a conta da festa alheia

Abril, imposto de renda, leão atrás de você… Todo início do ano tem essa agonia. Começa com o malfadado IPTU e depois vem o Imposto de Renda. O programa da Receita é claro: tem imposto a pagar e não é pouco.

Não bastou o tamanho do desconto mensal no contracheque. Ainda tem imposto a pagar. O síndico do prédio chamado Brasil sempre quer fazer uma chamada extra no condomínio.
E em geral a chamada extra se incorpora na taxa mensal. E lá vai você pagar o pato!

Afinal é preciso muito dinheiro para manter Suas Excelências. Cambada de pilantras e aproveitadores! E não é só o presidente, é a corja toda. Começa nos vereadores e vai até os senadores. Continua no prefeito e se estende ao Palácio do Planalto.

E o enredo se repete a cada dois anos. Na época de eleição só aparecem pessoas com cara de boa gente, preocupados com os problemas da população, discurso bonito… Todos têm uma solução infalível para os problemas da saúde, da educação e do transporte. Depois que ganham tomam chá de sumiço.

Na última eleição municipal foi a mesma coisa. Você até tentou se informar. De qualquer forma tinha que escolher entre o ruim e o pior um pouco.

Além disso, o amigo de um amigo garantiu que esse candidato a vereador era diferente. Como era mesmo o nome dele? Ah! Que diferença faz? São todos iguais…

Alguns podem até ter boas intenções. Mas quando chegam lá não resistem à tentação de arrumar emprego para todo mundo e facilidades para si mesmo.

Atualmente a coisa está pior: a bandidagem do tráfico, do roubo de carros e as milícias estão infiltradas no legislativo e no executivo.

E quem tem coragem de mexer com esse povo? Não importa. A verdade é que dia 30 de abril você tem mais imposto a pagar do que o dinheiro que sobra no final

do mês. E com a Receita Federal não tem Habeas Corpus nem Embargos Infringentes.

O que mais dói é saber que você já entregou a parte do leão do seu suado dinheirinho em cada pagamento que fez. No supermercado, na farmácia, no bar.

Pagou adiantado e a peso de ouro. Mas tem que pagar tudo de novo se quiser ter seus filhos numa escola decente ou ter direito a um médico razoável. Nem vamos falar de segurança porque aí o bicho pega…

Em outras palavras a taxa de condomínio está uma fortuna, mas o edifício está caindo aos pedaços. Ainda bem que está terminando o mandato desse síndico com cara de mordomo.

Mas a bem da verdade você está desiludido. Se sente traído e roubado. Sem esperanças de um futuro melhor para esse Brasil. Se pudesse mudava daqui, ia para outro país, qualquer lugar de gente séria e civilizada.

Bezerra da Silva tem razão em sua música: “para tirar meu Brasil dessa baderna, só quando morcego doar sangue e saci cruzar as pernas”.

O pior será aguentar a campanha política com os pilantras do “toma lá dá cá” com cara de santos no horário eleitoral gratuito.

Gratuito uma ova! Você pagou por cada centavo que esse programa ridículo custou. E vai pagar mais ainda… É você que vai bancar a prima do amigo que é cabo eleitoral de um candidato que deveria estar na cadeia.

E pensar que esse dinheiro pagaria uma parte da troca do seu carro…

O jeito é engolir a raiva e terminar esse Imposto de Renda. Amanhã você acorda melhor e esse sentimento amargo poderá ser diluído em uma boa cerveja gelada com os amigos. Ainda que 56% do valor da cerveja seja de impostos para engordar o síndico…

…………………………………………………………………………………………………………………………………..

Publicado originalmente na Revista Bula

Guia do eleitor desiludido: pagando a conta da festa alheia